Revendedores

Saiba o que é o capital de giro e como ele pode ser mais bem administrado no seu negócio!

Certamente você já percebeu que a administração de um negócio requer conhecimento sobre várias áreas diferentes e alguns conceitos muito importantes, principalmente no que diz respeito à gestão financeira. Um deles é o capital de giro. Já ouviu falar dele?

Neste artigo, vamos explicar o que é, para que serve, como ele pode ser calculado e oferecer dicas para aumentá-lo. Esse assunto é do seu interesse? Então, continue conosco e saiba mais sobre ele a seguir!

O que é e para que serve o capital de giro?

O capital de giro é, basicamente, a disponibilidade que você tem para arcar com todos os custos do seu negócio no curto prazo. Porém, vale reforçar que não se trata apenas de dinheiro, mas sim de todos os recursos financeiros que podem ser facilmente transformados em capital para manter a empresa funcionando. Eles são chamados de ativos circulantes.

Então, estamos falando do seu estoque, de investimentos com alta liquidez, do saldo disponível na conta bancária, das contas a receber e tudo aquilo que pode virar dinheiro de forma rápida. Por isso, aqui não se aplicam os investimentos fixos, os móveis, os equipamentos e os veículos que a empresa tem (já que eles normalmente não geram capital imediato).

Ele é usado para garantir que seus custos e suas despesas (fixos e variáveis) serão devidamente honrados em determinado período. Na prática, se você fez uma venda parcelada, sabe que não vai receber o valor integral de imediato, certo? Sendo assim, é necessário ter dinheiro para pagar as contas do seu negócio.

Devido a isso, o capital de giro é visto como uma espécie de reserva, da qual você pode tirar os recursos necessários para fazer todos os pagamentos de determinado período, até que mais dinheiro entre no caixa novamente.

Sabe aqueles períodos em que suas vendas caem um pouco? Se elas abaixarem ao nível de prejudicar o seu ponto de equilíbrio, é o seu capital de giro que vai “segurar as pontas” da diferença entre o que você recebe e o que precisa gastar (o que inclui pagamento de impostos, de funcionários e dos fornecedores, por exemplo).

Como ele pode ser calculado?

Se, por um lado, o capital com alta disponibilidade é chamado de ativo circulante, os custos e despesas de curto prazo (como aluguéis, fornecedores e salários) são chamados de passivos circulantes.

Dito isso, para calcular o seu capital de giro, basta utilizar a seguinte fórmula:

Capital de giro líquido (CGL) = ativo circulante (AC) – passivo circulante (PC)

Um capital de giro líquido alto é sinônimo de grande capacidade para honrar os compromissos e ainda investir parte do dinheiro.

É importante destacar que algumas instituições financeiras utilizam esse indicador como um dos critérios para concederem financiamentos ou empréstimos para as empresas. Portanto, se o seu número está baixo, você terá menos chances de conseguir crédito no mercado — já que dá a entender que você pode ter dificuldades para honrar os compromissos em algum momento.

Assim sendo, é crucial que você cuide das condições financeiras do seu negócio, principalmente para aqueles momentos de baixa nas vendas, e consiga melhorar o seu capital de giro. Isso é especialmente importante no início das atividades, no qual tudo ainda é incerto e você precisa de uma margem para garantir os pagamentos até que alcance o ponto de equilíbrio e se estabilize no mercado.

O que fazer para melhorar o capital de giro da empresa?

Já sabemos que é importante ter um bom capital de giro para manter a saúde financeira do seu negócio em dia. Mas, como isso pode ser feito? A seguir, oferecemos algumas dicas que vão ajudar você nessa missão.

Priorize a liquidez

Se o capital de giro é usado para fazer pagamentos em curto prazo, é primordial que você tenha alta liquidez, ou seja, grande capacidade de transformar ativos em dinheiro de maneira rápida. Então, invista um pouco mais em estoque, em investimentos financeiros e até mesmo em uma poupança para o negócio.

Não dê a receita como garantida

Por mais que você saiba que tem determinada quantia para receber dentro de determinado período, você não pode se basear apenas nas previsões que fez para o futuro do negócio. Já pensou se perde alguns clientes ou acontece alguma mudança no mercado que afeta suas vendas? Logo, só considere como receita aquilo que já estiver sido faturado e tiver prazo de recebimento determinado.

Negocie bem com seus fornecedores

Sempre que possível, tente negociar prazos mais longos com seus fornecedores, de preferência, depois que você já tiver recebido algumas contas. Assim, o risco de ficar inadimplente é menor, visto que o dinheiro estará disponível em caixa ou terá tempo hábil para levantar o montante necessário — seja aumentando as vendas, seja fazendo retiradas de investimentos, por exemplo.

Faça compras parceladas

Sempre que possível, e não forem cobrados juros, opte por parcelar suas compras. Assim, mesmo que você tenha recursos disponíveis em caixa para fazer o pagamento à vista, preserva uma parte do seu capital de giro para o curto e médio prazo.

Dessa forma, caso aconteça alguma situação em que você precisa de uma reserva para arcar com os pagamentos, tem uma segurança maior de que eles serão honrados devidamente (principalmente aqueles que não podem ser parcelados).

Controle suas finanças

Manter um controle rigoroso das finanças é fundamental para que você tenha uma gestão bem-sucedida. Como você pôde ver, o capital de giro está muito ligado às contas a pagar e a receber. Portanto, não se trata apenas de ter dinheiro disponível, mas sim de organizar o fluxo para que você consiga honrar os pagamentos, ao mesmo tempo em que consegue manter parte dos recursos disponíveis para situações imprevistas ou queda nas receitas.

Além disso, esse acompanhamento é importante para que se evite erros simples, mas que podem prejudicar seriamente a sua gestão e até mesmo a saúde financeira da empresa, colocando o negócio em risco.

Viu só como o capital de giro é de extrema importância para manter as suas operações funcionando, sem ter que passar por apertos financeiros? É por isso que calcular e acompanhar esse indicador é essencial para que a sua empresa tenha mais tranquilidade na hora de pagar todas as contas.

Gostou deste artigo? Tem interesse em aprender um pouco mais sobre outras rotinas de uma empresa? Então, não deixe de conferir como fazer o controle de compras do seu mercado!

COMPARTILHE ISSO:

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *